analise de fluxo de caixa

5 Erros mais comuns em uma Análise de Fluxo de Caixa

Você sabia que a forma como você conduz os recursos do seu negócio pode garantir o sucesso ou o fracasso dele?

Pois é. Por isso, o fluxo de caixa é o seu aliado na análise dos movimentos e do desempenho da sua organização.

Nesse artigo destacamos os 5 erros mais comuns em uma análise de fluxo de caixa.

Portanto, fique bem atento para não cometer nenhum deles e fazer sua empresa prosperar.

1. Não categorizar os gastos e as entradas

É importante que você faça um registro de forma separada das entradas e saídas previstas, além de nomear cada ganho e cada gasto da sua empresa. Se você não realizar o fluxo de caixa por categorias, você não terá como analisar os dados.

As informações extraídas do controle do fluxo de caixa poderão contribuir para a tomada de decisões na sua empresa com maior segurança.

Mas, para isso, é preciso fazer o que alguns chamam de “planos de contas”. Que seria separar os gastos em grupos ou categorias de forma que seja possível saber em quais pontos os gastos podem – ou não – serem reduzidos.

Isso deve ser feito também com a entrada.

Para caracterizar todos os gastos e entradas do seu caixa é preciso fazer uma distinção identificando nomes e valores dos itens.

Lembre-se de não esquecer de colocar cada centavo pago ou recebido, pois esses pequenos valores podem fazer uma grande diferença na sua conta.

Assim se você tiver conhecimento da onde está tendo maiores gastos na sua empresa, você poderá visualizar os desperdícios e redirecionar seus esforços para gerar mais retorno.

2. Não utilizar o fluxo de caixa continuamente

O dia a dia corriqueiro muitas vezes faz com que você deixe de usar ou até mesmo adiar a utilização e a atualização dos recursos que entram e saem da sua empresa.

O controle de fluxo de caixa deve considerar mesmo os pequenos gastos e entradas. Portanto, é interessante que a atualização seja diária. Com o intuito de representar a real movimentação financeira da sua empresa.

Uma simples diferença pode parecer muito insignificante quando avaliada em um único dia. Mas, terá com certeza terá importante representação no seu resultado ao fim do mês.

Porém, os pagamentos e recebimentos da sua empresa são diários, assim se a sua organização não tiver conhecimento dessas informações de forma precisa, será impossível tomar decisões a partir de dados concretos.

É sempre possível surgir a necessidade de ter que desembolsar recursos para aquisição de algum material para que sua empresa funcione.

Portanto, acompanhar a movimentação desses valores é fundamental para que sua empresa obtenha sucesso.

3. Generalizar as categorias

Na hora de categorizar os gastos e os ganhos não faça de qualquer jeito. Pois, quando você categoriza seu fluxo de caixa sem uma especificação clara, isso o torna os dados confusos e dificulta sua análise.

Então o melhor a se fazer é estabelecer categorias fixas para cada tipo de gasto e de ganho, pois assim, na hora que você for analisar os dados você não terá nenhum tipo de problema de identificar e de entender todo o fluxo.

Lembre-se que os dados de movimentação de fluxo de caixa acumulados pela sua empresa podem orientar as tendências para os próximos períodos.

Mas, as anotações e suas análises precisam ser muito realistas, levando em conta aspectos inerentes ao seu negócio e as suas reais condições de alcançá-las. Evitando assim, futuros erros no fluxo de seu caixa.

4. Não misture suas despesas pessoais com as da empresa

Aqui se encontra o erro crucial para qualquer tipo de empreendimento, quando se mistura suas despesas pessoais com as da sua empresa, provavelmente você acabará se acostumando e aí chegará um momento em que será difícil diferenciar o que é seu e o que é da empresa.

Nesse ponto, é preciso uma boa dose de disciplina e bom senso para controlar o seu caixa.

De modo que quaisquer saídas estejam previstas no planejamento mensal do fluxo de caixa.

Afinal, o caixa da sua empresa não é uma conta pessoal da qual se pode fazer saques livremente, não é mesmo?

E isso certamente lhe trará grandes problemas no futuro.

Pois em algum momento o dinheiro que você retira para pagar suas contas pessoais irão fazer falta no caixa da sua empresa.

5. Não controlar os custos do seu negócio

Quem tem uma empresa sabe que tem custos, então se você não tiver o controle desses custos o provável que ocorra é que sua empresa quebre. Um dos grandes responsáveis pela quebra das empresas são os custos operacionais.

O controle dos custos influenciará diretamente no preço final do seu produto ou serviço.

Por isso, é de suma importância categorizá-los. Tanto os custos fixos, como os salários dos seus funcionários, o aluguel, os tributos, quanto aos variáveis devem ser considerados para que não haja em momento algum, um descontrole capaz de comprometer o seu faturamento.

Portanto, para ter o controle nesses casos, é necessário categorizá-los, sejam fixos ou variáveis, para que depois você possa avaliar no intuito de identificar e corrigir os possíveis erros e desperdícios.

[Dica extra] Como não ter erros comuns no fluxo de caixa

Para conseguir diminuir os erros comuns no fluxo de caixa e mantê-lo sempre equilibrado é fundamental seguir três princípios básicos:

  • Planejar
  • Controlar
  • Avaliar

É necessário ainda ter em mente algumas questões como:

  • a) Quais são os custos mínimos da empresa? 
  • b) Quanto custa cada operação realizada?

Ou seja, em outras palavras, direcionar sua empresa para um nível mínimo de estabilidade.

Menos de 15% das empresas brasileiras acompanham o fluxo de caixa corretamente. Não ande no escuro e nem deixe a luz vermelha acender.

Os erros comuns no fluxo de caixa estão aí – e muitas vezes os empresários passam por eles por simples desconhecimento.

Entendeu porque o fluxo de caixa é importante para manter sua empresa funcionando e com perspectivas de crescimento contínuo? Fique atento e lembre-se de não cometer nenhum desses erros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *